Divulgação

CINEMAISON

Noite especial ALAIN RESNAIS

Aproveitando a incorporação recente de cópias restauradas de filmes do diretor Alain Resnais ao arquivo da Cinemateca da Embaixada Francesa, o Cinemaison do dia 06/04 apresentará obras desse influente e seminal diretor francês. 

Teatro da Maison de France

Av. Pres. Antonio Carlos, 58 – Centro – Rio de Janeiro

ENTRADA GRATUITA

É preciso solicitar a carteirinha de sócio através do site http://www.cinefrance.com.br/cinemateca/cinemaison/

18H – CURTAS DOCUMENTÁRIOS

O canto do estireno (Le chant du styrène), França 1958, cor, DVD, 14 min

Mais que um ensaio experimental sobre o plástico que inverte a relação temporal normal e se constrói de trás para a frente, ou seja, do produto final até a matéria prima, este brilhante curta é também um exercício poético literal (utilizando versos alexandrinos como texto) e visual, no uso surpreendente da montagem reversa, da música e, em especial, dos enquadramentos que aproveitam toda a extensão do formato panorâmico e anamórfico do CinemaScope.

Toda a memória do mundo (Toute la mémoire du monde), França 1956, P&B, DVD, 22 min

A câmera de Ghislain Cloquet, colaborador assíduo de Resnais, avança de corredor em corredor, de livro em livro, e, nesse verdadeiro labirinto da Biblioteca Nacional em Paris, indaga sobre o conhecimento acumulado e a memória humana, tema central em toda a obra desse diretor. Esse passeio é acompanhado pela sensível trilha sonora composta pelo grande maestro e compositor para cinema Maurice Jarre, falecido esta semana, baseada em tema do musical Cantando na chuva.

As estátuas também morrem ( Les statues meurent aussi ) França 1953, P&B, 35mm 29min

Um documentário sobre a arte negra torna-se um panfleto anti-colonialista e anti-racista. Neste potente poema, ritmado pelas formas das estátuas africanas e pelo texto de Chris Marker, expõe-se a opressão e a destruição de uma arte e de um povo por outro povo.

Guernica, França 1950, P&B, 35mm, 13min

O bombardeamento da cidade de Guernica pela aviação nazista, em favor de Franco, é evocado através do afresco de Picasso e de outras de suas obras.

20H – MEU TIO DA AMÉRICA 

(Mon Oncle d’Amérique), França 1980, cor, 35mm, 125 min

Com: Gerard Depardieu, Nicole Garcia, Roger-Pierre, Nelly Borgeaud, Pierre Arditi

Três destinos que se cruzam sob o olhar científico de um biólogo real, o Dr. Henri Laborit, que explica sua teoria sobre a influência do ambiente na formação da personalidade de seres humanos. Uma comédia de ficção-científica? O filme é bem mais que isso ao propor um jogo de associações que se desdobra em outras combinações a serem trabalhadas pela memória e pelo imaginário. Um jogo onde o vencedor é sempre o espectador atento e sensível.

 

I Mostra Internacional de Cinema: OLHARES sobre a exploração sexual de crianças e adolescentes

Clique na imagem para ver a programação 
I Mostra Internacional contra a Exploração Sexual

I Mostra Internacional de Cinema: OLHARES sobre a exploração sexual de crianças e adolescentes

CINEMA QUE PENSA

Organizado por Paula Gaitán, Eryk Rocha e Juan Posada, a edição deste ano tem como tema as Américas. A programação, gratuita,  conta com debates com realizadores como Nelson Pereira dos Santos, Claudio Assis, Joel Pizzini e Beto Brant, além de exibições de clássicos do cinema brasileiro, como “O País de São Saruê” e “Macunaíma”. 

Cinema ODEON PETROBRAS
Praça Floriano, 07 – Cinelândia
ENTRADA FRANCA

02/set (terça-feira)
A partir das 20hs
Filme: “Di Cavalcanti” Glauber Rocha
Em seguida: Manifesto Antropofágico de Oswald de Andrade, com João Miguel, Jards Macalé e Ava Rocha
Mesa de abertura do evento:
“O pensamento da Antropofagia e o cinema brasileiro”
Participantes: Adriana Rattes (secretária de cultura do Rio de Janeiro), Silvio Da-Rin (secretário nacional do audiovisual), Nelson Pereira dos Santos (cineasta), Eryk Rocha (cineasta), Paula Gaitán (cineasta) e Juan Posada (filósofo).
22hs: Show: AVA
 
03/set (quarta-feira)
A partir das 17hs
Curtas-metragens: “Café Arábiga” Nicolas Guillén
“Os Habitantes” Artavazd Pelechian
Em seguida: Mesa de debate – “Utopias dos cinemas americanos”
Participantes: Alexei Bueno (poeta), Ivana Bentes (pesquisadora), Joel Pizzini (cineasta) e Auterives Maciel (filósofo).
Mediador: Juan Posada (filósofo)
20hs Curtas-metragens: “Fome Agrária” Pedro Paulo Rocha
“Ociel de Toa” Nicolas Guillén
Em seguida: Mesa de debate – “Ancestralidade americana, política e cinema”
Participantes: Emmanuel Carneiro Leão (filosofo), Orlando Senna (cineasta), André Queiróz (Filósofo), João Miguel (ator) e Francisco Carlos Teixeira da Silva (historiador).
Mediador: Eryk Rocha (cineasta)
22hs Filme: “Eat, for this is my body” Michelange Quay (“Come meu corpo, este é meu corpo” – Première Brasileira, Grande prêmio no Festival Internacional de Miami)
 
04/set (quinta-feira)
A partir das 17hs
Curtas-metragens: “Esperando el Milagro” Dina Moscovici
“Ten” Ken Jacobs
Em seguida: Mesa de debate – “Cultura e a idéia de revolução – 1968”
Participantes: Otto (músico), Jorge Vasconcellos (filósofo), Pedro Paulo Rocha (cineasta) e Claudio Assis (cineasta).
Mediador: Rodrigo Fonseca (jornalista e crítico)
A partir das 20hs “O País de São Saruê” de Vladimir Carvalho
Em seguida: Mesa de debate – “Modernismo, cinema novo e novos cinemas”
Participantes: Cacá Diegues (cineasta), Lirinha (músico), Beto Brant (cineasta), Afonso Luz (crítico) e Juan Posada (filósofo).
Mediadora: Paula Gaitán (cineasta)
22hs Filme: “Macunaíma” de Joaquim Pedro de Andrade

 

6 anos de CINEMA CACHAÇA CLUBE

Para celebrar o aniversário do cincelube, a sessão desta quarta-feira será uma homenagem ao documentário brasileiro e à discussão estética e política em torno dele, baseada no livro “Cineastas e Imagens do Povo”, de Jean-Claude Bernardet.
Fazem parte do “cardápio” quatro filmes analisados no livro:

“Subterrâneos do futebol”, de Maurice Capovilla (1965), episódio do filme Brasil Verdade. Uma das primeiras tentativas de compreender o poder que o futebol exerce no imaginário do brasileiro. Capovilla acompanha a trajetória de Pelé, Zózimo Calazães (bicampeão mundial levado ao ostracismo) e o jovem Feijão, debatendo seus sonhos, a possibilidade de ascensão social e fanatismo alienante das torcidas.

“Liberdade de imprensa”, de João Batista de Andrade (1966). Documentário sobre a imprensa brasileira logo após a promulgação da lei da censura, com entrevistas de populares, políticos e especialistas, compondo um painel da época. O filme foi apreendido no Congresso da UNE em 1968, e ficou fora de circulação por 10 anos. 

“Lavra-dor”, de Paulo Rufino (1968). Documentário experimental sobre o discurso e reivindicações dos trabalhadores rurais após o golpe militar.

“A Pedra da riqueza”, de Vladimir Carvalho (1976). Documentário sobre o garimpo da xelita no vale do Sabugi, Paraíba. Enfoca as precárias condições de vida dos trabalhadores, que desconhecem o valor e o destino da matéria-prima que extraem: o tungstênio, utilizado nos mais sofisticados e complexos instrumentos da tecnologia nuclear.

Após os filmes, além da tradicional degustação de aguardente no Cinema Odeon, acontece a festa Cachaça Disco Clube na Gafieira Elite.

20 DE AGOSTO, QUARTA-FEIRA

SESSÃO
Cinema Odeon Petrobras, às 21h.
Praça Floriano, nº 7. Cinelândia.

R$ 10 / R$ 5 (meia)

FESTA
Gafieira Elite, às 23h.
Rua Frei Caneca, 4. Centro. (ao lado do Hospital Souza Aguiar) Tel: 2232-3217

R$ 12 reais / R$ 6 (com entrada do cinema)

www.cachacacinemaclube.com.br

 

Retrospectiva ALAIN RESNAIS: A REVOLUÇÃO DISCRETA DA MEMÓRIA

Começa nesta terça, dia 19, e vai até 7 de setembro no CCBB Rio, a mostra que vai exibir todos os filmes do cineasta francês Alain Resnais, em comemoração aos seus 60 anos de carreira. Autor de um dos clássicos do documentário, “Nuit et Brouillard” (Noite e Nevoeiro), Resnais tem ainda outros célebres títulos na área da não-ficção, como “Guernica”, o ‘institucional’ “Toda a Memória do Mundo”, e “As Estátuas Também Morrem”, em parceria com o mestre Chris Marker.

Além de exibir a obra completa de Resnais, com 7 cópias novas disponibilizadas pela Embaixada da França (“Guernica”, “As Estátuas Também Morrem”, “Noite e Nevoeiro”,  “Hiroshima, Meu Amor”, “O Ano Passado em Marienbad”, “Muriel ou O tempo de um Retorno”,  “Stavisky ou O Império de Alexandre”), a mostra conta ainda com dois documentários sobre o diretor:  “Abordando Alain Resnais, um revolucionário discreto” e “O Ateliê de Alain Renais: Em torno de Amores Parisienses”.

Fazem parte ainda  do  evento o debate “ALAIN RESNAIS: um revolucionário discreto?”, com André Parente, Cézar Migliorin e Consuelo Lins (sábado, 30 de agosto, às 16h),  e o curso “TEMPO E MEMÓRIA: o cinema de Alain Resnais”, ministrado por João Luiz Vieira.

A programação completa do evento, que acontece também em São Paulo e Brasília, pode ser conferida no blog da mostra.

Centro Cultural Banco do Brasil

Rua 1º de Março, 66 – Centro

Cinema: R$ 6 e R$ 3 (meia) / Curso: R$ 30 e R$ 15 (estudante)

 

Ciclo de debates VISÕES DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO

Começa no próximo dia 6, no SESC Copacabana, o ciclo que vai reunir todas as quartas-feiras de agosto dois documentaristas brasileiros para debater sobre a produção contemporânea. Os primeiros convidados são os amigos Eduardo Coutinho e João Moreira Salles, que falarão sobre o processo de criação no documentário.

Para as próximas semanas, estão programados os seguintes debates: 

13/08 – Produção independente – Silvio Tendler e Guilherme Coelho

20/08 – Documentário de invenção  – Eryk Rocha e Joel Pizzini

27/08 – Distribuição – Roberto Berliner e João Jardim

Os encontros, com entrada franca, acontecem das 19h às 21h, no SESC Copacabana (Rua Domingos Ferreira, 160).

Detalhes: site do Sesc Rio

 

 

ESTRÉIA

DEVOÇÃO, DE SERGIO SANZ

No dia 8 de agosto chega aos cinemas brasileiros Devoção, novo documentário de Sergio Sanz. O filme acompanha as celebrações católicas da festa de Santo Antônio e do Orixá Ogum, pontuando essas imagens com depoimentos de padres, pais-de-santo, devotos e pesquisadores. A idéia é lançar um olhar sobre o sincretismo brasileiro, questionando as relações de poder e as ações discriminatórias mascaradas por uma imagem de democracia e de bom convívio entre as diferenças.

 

No Rio, a pré-estréia está marcada para o próximo dia 4, às 21h, no Odeon BR.

O trailer está disponível no site do filme: www.devocao.com.br

Anúncios

2 Respostas para “Divulgação

  1. Pingback: editorial « CINEMA DE VERDADE

  2. Gostaria de saber onde eu posso comprar ou locar o filme Meu tio da América de Alain Resnais. Obrigado.
    Emal: join@uol.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s